Preta Gil

Voltar

Biografia

Cantora, empresária e apresentadora, Preta Gil nasceu rodeada de pessoas espetaculares e que transbordam arte: filha de Gilberto Gil e Sandra Gadelha, sobrinha de Caetano e afilhada de Gal Costa. Conhecida por seu carisma, energia positiva e generosidade, Preta Gil é a personificação de uma mulher forte, empoderada e pioneira, além de ser uma grande personalidade da luta contra o racismo, gordofobia e homofobia (LGBTQIA+fobia). A artista também é uma das cantoras mais relevantes do país, que movimenta mais de 2 milhões de pessoas no Carnaval e é sócia de uma das maiores empresas de gerenciamento de carreiras do país, a Mynd. 

Desde  pequena, sempre foi muito atenta e curiosa com tudo que estava a sua volta, transformando-a em uma criança apaixonada pela música. Sempre sonhou em cantar em um palco e já treinava desde nova: juntava a família inteira em uma sala para fazer seu show. Durante toda sua infância e adolescência, sempre fez questão de apreciar e apresentar novos estilos musicais, que a fizeram crescer com uma bagagem cultural diversa, que vai do MPB tropicalista nos anos 70, criada no epicentro da cultura pop/rock intelectual dos anos 80 e 90, do axé, ao funk. 

Aos 28 anos, Preta decidiu que trabalharia como cantora, depois de ter experimentado a carreira de publicitária. Mesmo durante este período, não deixou a música para trás: chegou a produzir e dirigir clipes musicais que fizeram muito sucesso na época, com Ivete, Angélica, KLB e SNZ. Lutando contra seus medos, Preta Gil lançou, em 2003, seu primeiro álbum: “Prêt-à Porter”. Carregando conceito, a cantora apareceu na capa nua, em uma alusão ao nascimento. O segundo álbum de estúdio, intitulado “Preta”, foi lançado em setembro de 2005 e continua muitos sucessos como “Muito Perigoso” e “Eu e Você, Você e Eu”. 

Em 2007, de forma simples e despretensiosa, no Cinemathequé, no Rio de Janeiro, Preta montou o show “Noite Preta”, em que cantava músicas que lhe agradavam, sem distinções de gêneros ou autores. Em pouco tempo, o local não comportava mais o que, no início, deveria ser um pocket-show, para no máximo 200 pessoas. O espetáculo mudou-se para um lugar maior, o Espaço Laranja, que comporta 700 pessoas. Mesmo assim, as filas na porta, a procura antecipada por ingressos, à disputa por um lugar próximo ao palco, continuaram! O show era o mais novo sucesso da cidade. A “Noite Preta” ganhou corpo, conquistou o público e viajou por todo o país. Em 2009 virou CD e DVD “Noite Preta Ao Vivo”, gravado na The Week Rio. 

Após a gravação na The Week, local com capacidade para três mil pessoas, Preta teve a ideia de criar o “Bloco da Preta”. Com ideia de atender uma demanda de shows no Verão do Rio devido a grande explosão do Carnaval, o Bloco surpreendeu e hoje é o terceiro maior do Rio de Janeiro, chegando a concentrar até 2,5 milhões de pessoas nas ruas. Lançado oficialmente em fevereiro de 2010, o Bloco ganhou fama nacional e se transformou em um clássico do Carnaval Carioca. Em 2011, o trio desfilou na Orla de Ipanema, mas a adesão foi tamanha que o bloco teve que ser transferido para as ruas do centro da cidade. 

Seu terceiro disco “Sou Como Sou”, de 2012, é uma obra mais madura, autoral e cheia de si. Neste trabalho, Preta conta com “Batom”, composição de Ana Carolina (sua colaboradora desde o primeiro CD e autora de “Sinais de fogo” e “Stereo”), Thiaguinho (com “Tá fácil”), Francisco Gil (filho de Preta que escreveu a música “Mulher Carioca”, da trilha sonora da novela “Avenida Brasil”, onde retrata a personalidade multifacetada da mãe) e Gilberto Gil (pai da cantora, que escreveu a música “Praga” em resposta às críticas proferidas por internautas e humoristas de TV).

Em 2014, celebrou 10 anos de carreira com a gravação do DVD/Blu-ray “Bloco da Preta”, que contou com participações de outros grandes nomes, como: Lulu Santos, Ivete Sangalo, Anitta, Israel Novaes e Thiaguinho. Em 2017, a artista assinou contrato com a gravadora Sony Music e lançou seu álbum “Todas as Cores”. 

Em 2017, Preta fundou a Mynd em parceria com Fátima Pissara, Carlos Scappini, Marcello Azevedo e Malu Barbosa, através da Music2. Especializada em música, marketing de influência e entretenimento,  Mynd atua fazendo gestão de imagem de seus agenciados, conexão entre personalidades e marcas, idealização e planejamento de ações publicitárias. Hoje, a empresa é uma das maiores do país e já contém mais de 200 artistas e influenciadores em seu casting. Além disso,  Preta também é sócia da LIGA, gestora de ativos musicais responsável pela operação de diversos selos e a gestão de carreira de artistas. 

Nos últimos anos, Preta colecionou sucessos como “Sinais de Fogo”, “Vá se Benzer”, “Decote” e “Só o amor”, música que ganhou a internet em 2019 e se mantém entre os sons mais usados do Tiktok até os dias atuais. Seu último lançamento, “Meu Xodó”, feito em parceria com seu filho Fran, ganhou um espaço especial na vida e carreira de Preta, uma vez que representa seu renascimento, depois de um período difícil de grandes perdas, e sua vontade de voltar a se expressar artisticamente. Além disso, no ano passado, Preta ganhou o “Troféu  Raça Negra” pela segunda vez, premiação que homenageia pessoas que atuam no combate ao racismo. 

Prestes a completar 20 anos de carreira, a cantora e empresária continua sendo referência de todas as cores: latinas, baianas, groove, cores da sua vida, além de ser uma figura inspiradora de body positivity, pautas LGBTQIA+ e contra o racismo.